segunda-feira, 16 de julho de 2018

A prata da Lua





Gosto de pensar
e confirmar
que todo esse tempo passado
não enrijeceu minha confiança
não gessou a esperança
não me embruteceu por dentro
nem há soma exata das perdas
que eu tive
nem balanço dos ganhos que eu tenho
a vida continua,
e ainda que me apanhasse dormindo
certamente
me veria sonhando acordado
planejando um caminho
muito parecido com tudo o que vivi até aqui... 
Deixo roupas que não me servem mais
sem apego, ficam para trás
usei meus sapatos até bem gastos o solado
e a aparência disforme
marcado longe os lugares 
onde palmilhei o meu pé... 
Grande é o celeiro da sabedoria
e virtudes da maturidade
Flores 
Cores
Sabores
delicadesas e força
fé, coragem
e destreza 
como atavios para a beleza
dos dias de agora;
"fui o heroi da minha própria história"
As que contei de mim mesmo
E a que de mim foi escrita... 
Revejoo realizações benditas
previstas no coração
quando ainda menino eu formulei contar 
como seriam os dias
em que as primaveras da vida
trouxessem prata aos meus cabelos... 
Enluarado
Desisti de embotar e sabotar os meus grisalhos
agasalhei contente 
um novo momento na vida que virá.

Marcos Segala
 

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Janelas





A mim
me foram dadas
Asas
Sobrevoo
Sobrevivo
Acredito
Voando os meus voos livres
Ao sol
de Domingo
Não desejaria agora
Nenhuma outra gaiola
Exposto
Disposto
A cantar 
Um canto solitário
Diluído
Na minha própria gaiola de vidro ...

Marcos Segala

sexta-feira, 29 de junho de 2018

A tua mao na minha mao












Guarda a tua mão na minha mão
ainda
as vezes penso
não saber atravessar 
a larga avenida da vida...
Guardo a minha mão na tua mão
seguro ainda
mesmo sabendo atravessar
sozinho
ainda menino
alcançar os horizontes
que me marcam os caminhos 
e a vida...

Marcos Segala

As dobras da idade



Incrível
Como revelar a idade
Parece estar-se admitindo um defeito
Num mundo onde a juventude é reverenciada 
Chegar a meia idade
É como ter chegado a um tempo decadente
E triste...
Gosto de ter chegado até aqui
Pra não ser assim, eu teria morrido jovem
Minha mente é mais aberta agora
O tempo de necessidade 
Por novos amigos
Já passou
Conectar com amigos antigos
Parece mais valioso 
Descartar imagens e fantasmas do passado é preciso
E vão embora no lixo o que deve ser lançado fora
Guardo um pouco de mim mesmo
Num velho amigo conhecido
Há mais autenticidade na idade de agora
Perdi o medo de não ser aceito
Autonomia
E aquela velha autocrítica pesada também passou...
Hoje prefiro apascentar o meu coração
Não quero me travestir de menino
A idade que tenho agora
Tem a sua roupa própria
E a sua própria forma de vida
Gosto de pensar no que adquiri
Ao longo dos anos
Nada que com dinheiro se possa comprar
Tudo que com um pouco experiência
Nos barganhe uma graciosa aquisição...

Marcos Segala
 

Súplica






Fitei os olhos
Da esperança
Ai de mim 
Se não vê-los 
Por aí
Olhai por nós
Os nós
Na garganta
Os nós em mim
No fim do dia...
Fixei os olhos
Postos em Ti
Quero ver-te
Assim
Olhai por mim 

Marcos Segala

terça-feira, 15 de maio de 2018

O mar da minha vida







Fui molhar os pés
no dorso pleno
do teu rio
mar
no meu caminho
oceano
molhei os pés
as mãos
a nuca
o rosto
então
todo o corpo mergulhei
batismo
sal na minha boca aberta
atropelava o fôlego
recobrando
redobrado
e tomei-te um bocado
pra mim
um pouco
mais um pouco e outro pouco
advindo
gole em gole
gota a gota
embebido
ensopado
nas tuas águas tranquilas
meu agito
no meio do mar infindo
saí do teu leito
encharcado
imaculado
transbordando poesia
minha rima
meu assunto
atrevido... 


Marcos Segala







































segunda-feira, 14 de maio de 2018

Superlativo da Felicidade




Grande parte da minha felicidade
Está instalada 
Em minha casa
O lar aprazível
que consegui construir...
É um lar em mim mesmo
Um Eu dilatado!
Foi tudo conquistado aos poucos
Nada é de uma vez só
A folhagem que hoje está bonita
Enverdecida
Já foi um desespero da vista 
Alguém desistiu dele e o colocou na lixeira da calçada
Adotei o vaso que hoje está exibido
Como se cada folha fosse flor desenhada
Quando chegou, coitado
Parecia ter sido atropelado
Desistido
Um formigueiro tinha feito ninho ali,
Deixei de molho imerso num balde d'água
Por dias...
Foi um socorro intuitivo
De que assim salvaria o vaso de Melindre
Quando o tirei do mergulho imposto
Ele reagiu de novo
Foi um processo de cura!
Assim cada cantinho da casa tem sua história
Num conteúdo de vida marcante 
Como a sua mão na minha mão...


Marcos Segala

A prata da Lua

Gosto de pensar e confirmar que todo esse tempo passado não enrijeceu minha confiança não gessou a esperança não me embruteceu po...