terça-feira, 20 de dezembro de 2016

O abraço da casa que me abraça!


aconchego
/ê/
substantivo masculino
  1. 1.
    ato ou efeito de aconchegar.
  2. 2.
    acolhimento, amparo físico junto a alguém ou algo; abraço.






















Dia desses, fui abordado por uma amiga que me pediu ajuda para o projeto da casa da filha que acabara de se casar... 
A primeira casa é especial e marcante! Está cercada de elementos que lembram o improviso e reaproveitamento de móveis de família que somados a outros de recente aquisição tornam, a meu ver a casa ainda mais gostosa!
E na minha opinião a casa pode tudo, menos parecer que não tem alma! Uma casa desalmada nunca!
Como imprimir personalidade e aconchego a uma casa que tem tão poucos referenciais de historia? A casa recém-nascida, não tem obrigatoriamente que ter cara de "joelho"! Risos
Há elementos que podem ter acompanhado o casal ao longo de sua história de vida, há outros que foram presenteados pela família como ajuda na montagem do novo lar... 
"Que princípios você usa para dar aconchego a um projeto?" Perguntou a minha amiga, é uma questão intuitiva, respondi... Depois fiquei pensando ter guardado comigo os segredos de uma casa aconchegante!
Daí resolvi escrever essa página para ela, e que sirva também para quem esteja montando a primeira casa!
Nessa fase a casa está por si só, cercada de atmosfera romântica... E os referenciais do romantismo, são os mesmos do acolhimento na decoração. Uma casa clean, pode ser prática, mas também pode ser fria! E ter ares de inacabada!
A casa acolhedora, te abraça e faz sentir que há calor e festividade no ar... 
Então, elementos que possam gerar sensação de alegria e contentamento, também geram bem-estar e acolhimento! A casa bem vestida, gera esse aconchego. Luz natural filtrada por cortinas deixam o ambiente convidativo. um tapete delimita ambientes e traz esse calor, necessário, rompendo com a frieza do piso nu... é um complemento indispensável. O uso de madeira, também é responsável por essa sensação de abraço festivo; A luz de um abajur produz também essa mesma sensação... Peças de família tem lugar especial na casa aconchegante! E por fim um certo esmero na arrumação e ordem dos objetos da casa, passam essa sensação de que o ambiente foi pensado, não para ser uma vitrine de ideias, mas para garantir a quem chega, colo, calor e o doce abraço afetivo que toda casa deve oferecer! O meu lar, meu teto, meu refúgio, meu abrigo...
A foto acima ilustra esse lugar gostoso de estar, sem luxos e despudoradamente livre dos vícios impostos pelo imposição do consumismo! A casa com alma tem a cara de quem vive dentro dela!



Marcos Segala 

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Um encontro á luz da noite

















É impossível não relacionar esta época do ano ao tempo em que me aninhava ao colo de minha mãe no conforto simples de nossa casa, quando as circunstâncias que cercavam o natal eram mais significativas do que festa e troca de presentes . 
Havia um vinco de comemoração bem mais realçada no modo como o natal chegava á nossa casa. 
Assim como no meu aniversário, havia bolo e luz acesa, nossa pequena mesa farta, uma prenda, ainda que singela, marcava a data como dia importante! 
No Natal , mamãe reservava á data uma dedicação especial. A casa se vestia de festa, tudo saia da normalidade. Era como um novo fôlego nos preparando para a virada do ano! Era quase um ritual. Mas não tinha nada de religioso, era aniversário de um membro da família. 
Era festa colorida e alegria que contagiava a todos sem exceção. Até a vizinha ranzinza ficava boazinha! 
Era tudo riso, era tudo Tudo! A gente reencontrava nas gavetas do armário aquela roupa de humano, e vestia! A esperança brilhava nos olhos da gente ...
Minha mãe marcou essa data na minha vida, e embora ela já não esteja mais aqui, a festa continua como ela gostaria, onde o Cristo nascido é renascido e eu me sinto lúdico! Com tudo Aquilo de volta num minuto num novo ânimo pra vida!  Porque é Natal! 

Marcos Segala    

Um encontro á luz da noite

















É impossível não relacionar esta época do ano ao tempo em que me aninhava ao colo de minha mãe no conforto simples de nossa casa, quando as circunstâncias que cercavam o natal eram mais significativas do que festa e troca de presentes . 
Havia um vinco de comemoração bem mais realçada no modo como o natal chegava á nossa casa. 
Assim como no meu aniversário, havia bolo e luz acesa, nossa pequena mesa farta, uma prenda, ainda que singela, marcava a data como dia importante! 
No Natal , mamãe reservava á data uma dedicação especial. A casa se vestia festa, tudo saia da normalidade. Era como um novo fôlego nos preparando para a virada do ano! Era quase um ritual. Mas não tinha nada de religioso, era aniversário de um membro da família. 
Era festa colorida e alegria que contagiava a todos sem exceção. Até a vizinha ranzinza ficava boazinha! 
Era tudo riso, era tudo Tudo! A gente reencontrava nas gavetas do armário aquela roupa de humano, e vestia! A esperança brilhava nos olhos da gente ...
Minha mãe marcou essa data na minha vida, e embora ela já não esteja mais aqui, a festa continua como ela gostaria, onde o Cristo nascido é renascido e eu me sinto lúdico! Com tudo Aquilo de volta num minuto num novo ânimo pra vida!  Porque é Natal! 

Marcos Segala    

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A cor dos meus caminhos





Algumas pessoas 
apagaram 
tão definitivamente 
seus rastros nosso caminho 
que fica até difícil perceber 
se houve entre nós algum caminho escrito 
alguma vida favorita 
pegada marcada 
história contada 
ou imaginação imaginada 
criativa 
avizinhando rastro no meu . ...
Tive de desistir alguns caminhos 
Tive de planear outros contornos outras molduras  pro meu rosto 
e felicidade 
Tive de aceitar novos começos 
e projetar novos enredos 
escrever caminho novo 
um ombro amigo 
que me fizesse ver 
na trilha da minha vida 
outro destino 
nesta estrada colorida... 


Marcos Segala 

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Inspiração




Talvez eu seja 
O enigmático sorriso de Monalisa 
Já pensei ter sido em mim mesmo 
o encontro de Madalena e 
o perdão proferido
já tendo sido o seu pecado cometido 
Já fui noutra vez 
o toque do dedo de Deus 
e o sopro na criação 
da criatura 
Já fui a letra torta 
da minha poesia 
e o conteúdo lúcido 
de algumas palavras escritas 
Talvez eu seja 
o título de um livro lido
e minha cor favorita 
esteja realçada na pétala flor
Sei que meus olhos 
são olhos de criança
ávida pela vida 
olhando pela janela 
copiando em tela
a cor
a flor 
o amor 

Marcos Segala 

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Meu mundo interior





















Esses lugares todos que invento 
habitam-me por dentro  
em algum lugar espaçoso... 
Entusiasmado vejo definir detalhes coloridos  
como luz que acende de repente 
e revela visto 
o cenário garantido em cor, forma e proporção
dentro e fora de mim...

Marcos Segala


quinta-feira, 27 de outubro de 2016

canta o coração




















"se essa rua fosse minha
eu mandava ladrilhar
com pedrinhas de brilhantes
para o meu amor passar..."
Quando me ensinou a cantar, 
foi assim que me ensinou a amar...
Ah, se essa rua fosse minha!
se fosse meu o seu caminho 
seria seu o meu caminho de vida...

Marcos Segala