terça-feira, 20 de setembro de 2011

O amor te concebeu,




MEu filho,

Jamais duvide do amor de ser amado,


Sua vida nasceu de um plano e projeto bem pensado evoluído no coração de tua mãe e que eu aprovei, ela me ganhou de imediato para participar do que ela intentou haver entre nós, ela não apenas aceitou o meu amor, mas quis um filho meu... Ela quis um filho comigo.
Estou em riso agora por que quando me lembro desse episódio da minha vida, rio por dentro, num contentamento que me aquece e contorce estranhamente as minhas entranhas - seria a isso que chamam: um frio na barriga? Como penso que se move no ventre da mãe a criança, assim também eu experimentei o estar grávido de ti e saiba que não foi fácil me ater ao outro plano de sua mãe, o de jamais permitir que tu pudesses ser meu ou estar comigo!

Eu cresci sem ter-te a ti por perto, mesmo quando eu estava perto. Amadureci e passaram-se os anos, e nunca mais coloquei os meus olhos sobre ti – filho da minha mocidade, mas saiba que desde sempre planejo o dia e hora em que verei o teu rosto e que tu o meu rosto verás novamente... Espero, 


Não vimos os frutos mútuos, nem as minhas flores tu também não vistes... Não me acompanhastes ao trabalho ou a qualquer solenidade ou diversão... E é provável que isso te perturbe um pouco... Pois que me perturba. Poucas ou nenhumas impressões a minha vida carimbou-impressionou a tua! A não ser por histórias relatadas por tua avó e pelas lembranças que tens de mim.

Também me confunde o fato de que nunca tenhas estado em minha casa, nunca pude me servir de tê-lo á mesa comigo!

Em nenhum momento de tristeza estavas ao meu lado e na tua tristeza ou dor-dissabor... Não notifiquei...

Mas também foste poupado de vir a ter motivos pra me odiar... O convívio promove rivalidades incontáveis... Nunca fui um “radinho” no seu ouvido antenado a captar os anseios do meu coração paterno! Riso,

Nenhuma festa e nenhum balão, nenhuma velinha de aniversários e, todos os presentes me foram devolvidos... E nenhum culto santo ou  santa Ceia promovida de comunhão que trouxesse o realce de motivos para me amar e converter o teu coração de filho ao meu coração de pai e meu coração ao teu convertido.

Fomos separados num segundo plano e nos vimos muito poucas vezes, mas faz o Senhor que mesmo estando do outro lado do mar, meu coração não descansa o teu assunto e solicitude amada!

Não te vi crescer e não te acompanhei a ti na tua caminhada, só de longe... Muito ao longe! Beirando o imaginário!
Ó meu amado,
Saiba que ao colocá-lo nas mãos da Providência cri que elas cuidariam que o teu caminho fosse exercido nele no teu caminhar. Clamo e não calo o coração, peço que cuide Deus dos teus cuidados, cuidando de cuidar dar á Deus o cuidado de tua vida filho. 


Eu amei a tua mãe como legitimamente ama um homem uma mulher. Entregamos-nos aos planos do amor, se assim não fora de que outro modo tu haverias de nascer e existir? Quando ela se sentiu atraída por mim ao ponto de tramar ter um filho comigo, um filho meu... Um nosso filho! Cedi. Prazeirosamente cedi aos nossos apelos de atração mútua. Não a culpe-desculpe.

Houve um plano por tua vida repito, sua mãe desejou-me e me encheu de graça. Eu era jovem, era um moço tímido na minha masculinidade, eu era doce, educado, gentil, gracioso, me vestia com cuidado e prestava larga atenção ao belo... E tua mãe era uma linda mulher! Lembro cada segundo dos momentos que juntados todos se aliaram na construção do dia em que o Senhor te chamou pelo teu nome no ventre da tua mãe. Eu amei a tua mãe e com ela celebrei uma aliança nos nossos corpos... E foi dessa aliança que nasceste no dia em estivemos enamorados.
Mas ela guardava outro plano em segredo, e que depois do teres nascido me contou que levaria embora o filho.


Mas, toda a solicitude guardada na espera por ti ver um dia, recorda o coração que um dia em mil anos, mil anos em um dia e eu te verei novamente como te vejo cada vez que percebo uma batida diferente no meu coração como quem traz cavalos velozes galopando no peito a ponto de disparar e saírem todos boca fora!


Meu coração sempre está contigo, podes sentir disparar o teu peito quando pensar em mim... Esquece as dores e absurdos dos desentendimentos da vida... Nem procures explicações
que não convencem... ! Aquieta-te confiante na Palavra que nos estabelece a esperança e nos mantém na vida, amando e sendo amado,


Esteja á mando de Deus meu filho...

Teu pai
Marcos Segala 


Nenhum comentário:

Postar um comentário