quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Estranheza liberdade







Não sei,
Acho que não sei lidar 
ainda
com essas asas todas


Parecem tão exibidas
Coloridas


Estendidas


Parecem exuberar
em mim
num desajeito


Estou confuso
e ás vezes 
um pouco atordoado


Exagerado


Intimidado
Como uma estranha criatura


Uma nova criatura livre
Renascida...






Marcos

terça-feira, 29 de novembro de 2011

ninguém disse que fácil seria



Nada que se faça na vida
é proveniente fácil
ou de todo cercado de oportunidades
grandes ou pequenas
o nosso ponto de vista
é que mede o desafio proposto


Desde garoto
se via em meu rosto 
o gosto pelo desafio 
ou quase certo o perigo...


Fosse a corda fina pendurada num galho 
de arvore ás margens de um rio 
que promovesse aventuras 
pendurado ali por um fio
balançando o perigo
ondas de frio na barriga surgindo
mas nada
em absoluto pagava o momento
cravado na lembrança 
quando de noite já em casa
eu retinha os flashes mais emocionantes do dia


Ressurgindo...


Ora era a corda de um balde num poço
Uma cisterna funda
em que eu descia animado 
e cheio de vantagem
com a coragem toda
e adrenalina de ouvir a carretilha 
batendo forte
desenrolando a corda até que o balde
mergulhasse fundo nas águas do poço
e a garotada em balburdia 
gritando endiabrada 
do lado de fora do poço lá em cima...


Ainda lembro com o mesmo entusiasmo
alegre
animado 
as peripécias de menino traquina.


"Pode se machucar e uma hora ficar pendurado por aí...!"
Alguém dizia. 


Lembro-me ainda 
de atravessar enchorrada forte 
passando por dentro de manilhas 
que pro nosso tamanho proporcional 
eram túneis gigantescos 
cenas de filmes 
onde éramos todos heróis
na "terra de gigantes"
no "túnel do tempo"
ou "perdidos no espaço"
com o robot e o doutor Smith...


De modo que em todas as brincadeiras 
de criança 
reconhecidamente 
nos treinava vizinhas 
para as venturas e desventuras 
atuais 
da vida adulta...


Hoje
não é diferente, 
sair ás ruas e enfrentar as feras que se enfrenta
para ganhar a vida
e voltar pra casa tendo matado o gigante
e salvado a mocinha... 


Todo dia!


Nos 
desafia 
a vida...



Marcos

removendo montanhas...








Montanhas 
se deceparam do meu caminho 
e vi 
se alargando 
horizontes 
até bem do outro lado do mar 


Um horizonte azul


Caminhar...




Marcos

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Mudei, tudo mudou!







Você mudou de vida?
Não,
A Vida
me mudou á mim
Quanta vida ainda tenho pra viver
Mudou-se o resto da minha vida
O amor mudou a minha vida
Transformação...






Marcos

domingo, 27 de novembro de 2011

Concepção







Eu nasci 
de um abraço
um beijo
um cuidado
um apreço
um desejo


Minha mãe pensava ter encontrado
Um querer realizado
O meu pai só queria em seus braços
Um querer confortado


O braço inteiro ele não daria...


Mas houve entre eles atração
e braços se deram,
eu vim então de um abraço atraído
Abraço-carinho-abraço-apertado
Abraço-dobrado-abraço-perdido


Que momentos tenho esses em seus braços
seu abraço-querido
quando estou contigo em meus braços...




Marcos

Coração em disparada






Cada 
vez que penso 
em ti 
o meu coração
cavalga velozmente
sobre as patas 
de cavalos 
de número incontável
multiplicado


Apressado...


E só assim
me apercebo
Calmo, 
o quanto eu sinto 
quando sinto a ti mesmo 
bem dentro do meu peito.


Disparado...




Marcos

sábado, 26 de novembro de 2011

Arcos de mim




Trabalhei numa série de instalações, 
montadas a partir de reciclagens, abordagens de poesia
contadas com cores e formas e proporções, restos e sobras de tecidos coloridos, fotografias, imagens, colagens, apetrechos, proveitos reaproveitados... 
Uma brincadeira e sondagem com pequenos objetos. 
Quase uma experiência com a cor, a textura, o relevo, o aspecto que apresenta cada um dos materiais usados e ajuntados, coordenados em um mesmo assunto.
Denominei á série, Arcos.
São Arcos de mim mesmo.
Uma estrutura encaixada em moldura branca 
e tampo de vidro, tecidos vivos contando a vida como ela passa por mim e como conto nela a minha história...
Não há de fato nenhuma pretenção em ser Arte, até por que mais uma vez, respondo de novo á necessidade de expressar sentimentos e sensações que se aderem a uma ordem de emoção e comunicação de ideias lançadas quase a esmo. 
Onde o maior apelo é mesmo o de dizer como a vida passa por mim.
Bem vindo á sensações e emoções do que a meu ver, a vida é feita e do que se faz a vida.























































































Marcos


Em 26 de agosto de 2011
fotos by Angela Motta

Seguindo o seu curso destino



Você sabe
que não sabemos de todo
onde esse fluxo vai dar...


Não saberíamos de fato 
se por ele jamais tivéssemos passado antes,
Sem a área transversal do rio
Não teríamos ideia do Mar a chegar
Visão nenhuma se teria
a não ser da água abrindo caminho
entre as pedras
e a terra seca 
rasgando passagem e avançando inteira
um palmo de vista á nossa frente...
e se 
detida
empoçada
grande vazão se daria
Transbordaria...


Rompendo com impeto o caminho pelo chão


Ás vezes, 
como uma nascente
apenas fluindo devagarinho
como água que escorre pela mão
Estendendo vida, 
transpondo cercas
desbravando obstáculos
interrompendo os limites 
e interpostos adquiridos
afluentes
influentes
Conclusão,
Ao Mar então...




Marcos

Esteja bem







Seja feliz
á medida em
que
a felicidade vem,


Mas e se ela não vem?


Ela vem,
Felicidade sempre vem
quando a gente está bem.






Marcos

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Poços abertos





Num tempo de desigualdade
de grande necessidade
num tempo de seca sobre a terra
a saciedade só é possível 
cavando poços 
multiplicando as águas 
e as possibilidades...


"Dai de vós mesmos de beber a estes todos..."


Como?


Onde encontrar abundante água
que sacie a toda essa multidão?


Então veio um aguaceiro sobre a terra,


Multiplicado


Saciado...






Marcos

nas tuas mãos







Um bem
que me fazes
é me 
acalmares
acerca do amanhã
e do depois que virá


trazendo-me hoje
de ante-mão
a tua mão 
que me veio vindo sempre
em pequenas 
porções a mim
estendidas
da tua Mão


Proteção...




Marcos

Nitidez









Outras
coisas tantas 
acontecem todos os dias
e enchem os dias
Acontecimentos...


Bom e mau sem igual


Coisas acontecem
pra nos colocar num lugar
onde podemos ver as coisas claramente...


Onde estou?




Marcos

briga de gigantes







É que eu ás vezes demoro 
um pouco a te compreender
e a me compreender
demoro um pouco mais...


Você compreende ?
Diz que sim...


Sim eu compreendo, você é lento!






Marcos

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Desencontro - Encontro









O que será que eu tenho 
de aprender
cada vez 
que esbarro em você
e sua aparente indiferença
faz medida e distância
entre nós...

Se cada vez que lhe encontro o que eu quero
é me dar
e se não me recebe a mim
também não tenho eu a ti,
o meu par.

O que será que me é dito quando se cala
e eu insisto?

Se me vira o rosto
e foge ao carinho proposto
mas não vai embora de todo
está sempre perto e acerca
e apesar da cerca 
não aprende a sair de mim...
E eu de ti não saio.

Me confundo entre o que penso
e o que calo,

se cumprimento 
ou se regalo

O que é que eu faço?

Você virou-se e dormiu de imediato...

Eu permaneci acordado

Levantei
Fiz um chá
E enquanto me entristecia dramático
escrevi,

Nossos encontros não nos desencontram
mostram duas pessoas que se completam
nas diferenças que são...
Conclusão.

Até entender isso então
por vezes me azedo 
um pouco de mim e outro tanto de você.

Depois como sempre
e ao fim daquilo que escrevo
dou mesmo um jeito de rever o refeito 
e esbarro no jeito certo de ver o perfeito.

Eu e você
desse jeito de ser
Eu do meu jeito,
Você do seu jeito,
Escrevo um acerto a ser desse jeito 
...

Será que existe uma associação para homens que amam demais?

As vezes não me basta ter você ao meu lado,
quero você comigo e em mim,
quero estar com você em você,
rompendo os eus que nos separam enfim
ser um com você e isso é inoperante 
pra quem vive
junto 
em um só ser
imagina pra quem tem duas vidas pra viver...
A sua vida longe de mim nos seus afazeres
A minha vida longe de você no meu á ver 
Dá pra entender?


Eu com todos os eus com quem me reparto e multiplico por aí,
Você com todos os vocês que lhe cercam e apertam sem fim.

Que busca é essa que por vezes parece só minha
encontrar alguém que me complete e esteja á mercê...

Tomara eu escreva o que eu consiga entender,
Nas caras metades que somamos uma só cara ter
Uma complementa a outra em oposição
numa visão mais completa...
Conclusiva razão:

A liberdade é, antes de tudo, 

o direito à desigualdade.


N. A. Berdiaev


Você do seu jeito Eu do meu jeito
Nada é defeito...


Apaziguei o coração.



Marcos

madrugada 2:27 25novembro11

Quero o Bem que me tem







O bem
que me cabe
do seu bem 
é a parte
que me cabe bem 
no seu bem


Seu bem me fazendo bem
no bem que você me faz
você me faz bem...


Ainda nisso 
acredito
mesmo quando tudo mente
e o bem não me faz presente,


Querer o bem que me faz
se o bem me queira
bem fazer 
E
bem querer...




Marcos

Estar vivo





As vezes 
sou sobressaltado
por algum temor e espanto...
Então eu canto.


Se tudo o que tenho escrito
foi escrito e lido do que eu vivo
me entusiasmo então 
na alegria de me ser escrito
como está escrito o que eu vivo...
E se eu sou escrito no que eu vivo,
vivo 
por que está escrito 
no 
Infinito
Protegido...




Marcos

Espelho






indiferença
não combina
com a nossa semelhança...


Imagem 

Semelhança.




Marcos

Esboço



Tenho um novo rosto
na fotografia
Um rosto envelhecido...
Construído.


Os anos passam 
e as marcas do tempo 
é que ficam...


O tempo me deu um novo rosto
Linhas
vincos, marcas na cara
rugas e sulcos desenham 
um rosto redesenhado


Tantos anos em que minha imagem
parecia estática 
Claro que essa impressão
de imobilidade do tempo 
era toda minha e o é ainda,
pois que quando me vejo
em fotografia
rivalizo o que me é perecível
Apazíguo o que há de eterno em mim...


Flores murcham e secam
como a erva extinguível no fim da tarde
Marcam apenas um momento na lembrança
no tempo... Ido
Lindo!


Diamantes eternizam uma lembrança-viva
e se tornam mais do que um enfeite
Um atavio
Vivo...


Alguém me sugere diante do novo rosto
Ter o meu rosto de volta de novo


Mas isso penso que não quero comigo


Quero o novo que me veja no rosto


Quero o meu rosto voltado pro novo


Pois que tudo o que vivi no rosto velho
Foi intenso e foi tão bom,


Caleidoscópio-vida


De novo o renovo do meu velho rosto
O rosto do resto da minha vida...
Cumprida.




Marcos

Meus oito anos





Para inaugurar
os meus oito anos
minha mãe incentivou-me
a decorar um poema:
"Meus oito anos"
Dos oito ao dezoito
e eu nem vi o tempo passar
Ou vi ?
Guardei o melhor do tempo...
Depois dos dezoito
muitos oitos já vieram já.
Reservei o melhor comigo
Todo resto me foi esquecido
E o presente
que me deste a conhecer de presente,
eu vivo.
O passado esquecido
o presente vivido...
E o tempo ido.






Marcos

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Compensação







Há compensações pra tudo na vida
No meu caso
minhas asas
minha compensação
Asas á imaginação...




Marcos

Acredita







Porque se vê 
Se vê e acredita?
Há quem não tenha visto e creia...
Há quem creia e então tenha visto.






Marcos

terça-feira, 22 de novembro de 2011

A minha idade





Pai, que idade você tem ?

Ué, a sua,
Quantos anos pai ?

Os seus, 
os seus anos de idade
é essa a minha idade
meus anos contigo ao lado
não mais
não menos
Os anos contigo
a sua idade...
É assim que eu conto os anos
o tempo em anos que estou ao seu lado.

Multiplicado...



Marcos

bumerangue





A felicidade
sempre muda de lugar
eu vou pra lá
e volto pra cá
cada vez 
que você muda de lugar
o meu lugar
no seu lugar
o seu lugar...
A felicidade muda de lugar 
cada vez que você muda de lugar!
Mutante...




Marcos

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

caleidoscópio







Todas essas imagens
acumuladas
enfileiradas
multifacetadas imagens imaculadas na minha lembrança viva
preenchida
como um mural de vida harmonizada
edificada
construída


Imaginativa


Caleidoscópio-vida 
girando em segundos 
imagens se formando descritas
multicoloridas


Como o vitral de uma capela
uma casa 
um templo 
Quem sabe a luz de um farol...


Quem sabe
casa 
templo
um sinal dos tempos
Como o brilho do sol...




Marcos