sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

bem aventurança





Sabe,
quando perdi minhas folhas
desfolhado
seco
desbotado
fiquei triste e chorei
saudei as flores do passado
como viva lembrança
uma estação inteira
estive ressequido
contorcido
cólicas e dor de espírito
mediquei 
antibióticos 
dipirona
vasculhando 
a minha dor...
Noites febris solitárias
e a tua mão estendida
comigo 
alcanço
Obrigado...
As quatro estações 
que me codificam a vida
me trazem tanto movimento
atordoo
de quando me ausentam folhas
flores
brotos
se aninham em meus galhos
a vida dos outros
Minha sina vida
diferente bem da tua
cercado foste de densa floresta
verdejante
fresca companhia
fui afastado cresci marginal...
A compensação dessa vida exposta
proposta
vivo enraizado em terra larga
vasta
e a vastidão dessa ciranda louca
desprende sempre
um riso largo em minha boca
forma beijos na tua boca
Não fui plantado á margem do ribeiro
e nada foi muito fácil
mas descobri bem debaixo
dos meus pés plantados em solo fértil
onde estou
que minhas raízes são banhadas
por um rio invisível, eterno
Longe do ribeiro?
Ué, ele passa primeiro
ao alcance das raízes do que eu sou...



Marcos Segala





domingo, 11 de novembro de 2012

de nunca estar só




Que solidão é essa
imposta 
plantado só
no meio do jardim
longe das flores
que tens aí
deu-me de ter flores
em mim
A lua no céu á noitinha
noite toda inteirinha
suavizando com brisa
e frescor enluarado
o dia 
quente de sol
que se foi...
Nuvens desenham
formas e contornos
desenho  
imagens que vejo
conto histórias pra mim mesmo
do que percebo no céu escrito
Altaneiro num corpo vertical esguio
espio
plantado

no meio do jardim
enraízo
vejo 
daqui de mim
o horizonte que se forma
lá na linha horizontal
que junta céu e terra
eternamente
nos quatro cantos de mim...
Outras árvores
arbustos tranquilos
cercam parte da paisagem
e a gente se assiste 
eu, tu e eles
mutualmente
todos eles plantados
lado a lado
enfileirados
florestados
ajuntados
e
eu
ilhado
afastado
e no entanto
acompanhado
cercado
ninhos
festa
pássaros
canto alegria
flor
espinho
frutos derramados ao pé de mim...



Marcos Segala

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

cotidiano





As flores
na calçada da minha rua
são minhas 
são suas
desfrute delas com alguém
querido
se ninguém falasse delas
eu falaria
se ninguém as visse
eu veria
apontaria
fecho os olhos
e me vejo acordado
pros elementos cenários
que compõe o meu dia
os pássaros
em algazarra nas árvores
do meu quintal
seus cantos
e ruidos naturais
cigarras explodem
arrebentam
chamando o verão
canções
até o som barulhento urbano
dos carros
na rua de baixo
me chega aqui
como som de águas rolando
num turbilhão vivo
de um rio
as simples belezas do jardim
estreliças
a fartura de frutos no quintal
me maravilho acredito
tudo isso é real
a casa me abraça
com braços maternos
me nutre força e vigor
todo dia
de seu ventre terno
abasteço
todo o planeta é nossa casa,
sente...



Marcos Segala

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Acalanto






Uma chuva pesada

Noturna

Cantava lá fora

Desaguando

Entusiasmada

Canção de ninar

Ninei-me aconchegado

Embalado por essa canção

Uns prazeres pequenos

Gigantescos

Como criança dormia

Na preguiça aninhado 

Sob a canção da chuva...



Marcos Segala

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

pelas janelas te vejo







Enchi os olhos
de céu
lá fora
céu azul
nuvens cor-de-rosa
parei alí por uns minutos
com todo aquele céu bonito
dentros dos olhos
infinito
quando a casa entrei
os olhos da casa
eram
o céu aberto
que vi lá fora
e a casa cheia de céu
era azul
era rosa
era um pedacinho de céu
cá dentro...



Marcos Segala




Deixei pendurado um sorriso
no canto da boca
mantive o riso lá engatilhado
a qualquer momento 
transbordaria
riso largo farto gargalhado
quanto mais pensava no riso
mais riso eu tinha comigo
riso de fora pra dentro
riso de dentro pra fora
transborda derrama o meu riso
contentamento talhado no sol riso
que eu preciso
gargalho alegria incontida
derramo pra fora entusiasmo
na alma preenchido
por dentro todo mexido...


Marcos Segala

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

a alegria vem pela manhã







Passei dias
ensimesmado
letargia
uma força angustia agonia
solidão de quem está
doente em casa sozinho...
Descanso
alcanço lápis e papel
descanso palavras soltas
em papel em branco
abro asas
que me levam
acima
avante
lá onde o mar encontra
o horizonte
lá onde não há nada complexo
nem explicação pra nada
tá tudo certo
Tudo obedeceu o seu curso
a Mão o conduziu
e o escrito dirigiu
alinhavados os fatos
ressonâncias
retalhos de uma vida
cada dia
colcha de retalho estendida
agasalho simples
noite fria...



Marcos Segala

Happy hour







Descansa
alcança lápis e papel
descansa
palavras soltas
no papel em branco
um texto limpo
colorido
festivo
farto de ideias
graça e alegria
e mesmo que a vida lhe imponha
pranto
sorria
quanto mais de riso
forem as palavras
escritas
descritas
na vida
tanto mais
o contentamento delas
no poder
que reproduzem
como sementes
contentes
num coração
alegria
de quem as lê
depois de escritas
na vida
traduzidas
vividas...



Marcos Segala

A lua girou...






A gente nunca sabe
nunca prevê
nem mesmo felicidade
antecipada
alegria
olhar alí na esquina
o que vai acontecer
que quebre a rotina
num momento
e os câmbios da vida
que câmbios virão
represado de emoção
céu de deslumbramento
transbordando
me transbordando
e você transbordado
lua girando no céu
e o travesseiro dos seus braços
a lua girou, girou
e os frutos derramados na canção
bendito o fruto prometido
nova estação
na boca um gosto de sal
um momento inesquecível
nem sabia ser possível
na graça, na raça, no sonho sempre
quem traz no corpo essa marca
possui a estranha mania de ter fé na vida
mistura dor e alegria
no travesseiro dos meus braços...


Marcos Segala

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

noite a fora








Vento calmo
brisa fresca
madrugada
lambeu nossos corpos
sob a janela da sala
o sofá
a janela
a copa das árvores
o céu pontilhado de estrelas
a imensidão
eu,
eu era o vento
sopro sobre o seu corpo nú
era a janela
cúplice assistindo o nosso amor
e as copas
as árvores
e o céu
e as estrelas testemunhas
eu era você em mim mesmo
em si mesmo
eu era eu mesmo nesse momento
e lá fora
as árvores derramando flores
na calçada...


Marcos Segala

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

guardados







Guardou
intacto
peça de museu
com medo
que o uso
usasse o usado
e usado
perderia o valor 
intacto
nunca usou
nunca usufruiu
do que viu
guardou...


Marcos Segala

dias de outras cores...






Fiquei dias sem sonhar um sonho
sem contar um conto
amoado
calado num canto encantado
petrificado
esquecido 
resguardado
como as árvores do meu portão 
hibernaram e agora floresceram contente
Escrevi coisas que não quis postar
nada que quisesse muito  concluir
emoldurar no blog de lembranças
pra você ler depois de mim
Escrevi coisas belas 
da beleza delas mesmas 
que eu vi
coisas belas de se observar
como flores que o jardim não conheceu
Flores de dentro de casa
pra intimidade enfeitada
aquela que o estranho não participa
flores no vaso sobre a mesa
flores no vaso de vidro
posto sobre o meu criado mudo
e a casa perfumada 
pétalas e luz de velas
queijos e vinhos na mesa farta...
Fiquei dias sem sonhar um sonho
sem contar um conto
sem cantar uma canção de amor
amei sozinho em secreto
desarmei do amor uma bala no peito
ferido dentro o pensamento escrito
Flores de dentro de casa
que meu jardim não viu
não conheceu...
Flores de dentro da gente
flores por dentro contente


Marcos Segala

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

o amor é flor





Era uma flor singela

nascida calma 
antes da primavera
entre os rochedos
despertada
forte
petalada
levantou-se
persistente
contra as intempéries presentes
achou lugar 
pra florescer
não foi plantada
mas suprimiu exuberante
qualquer outra flor
de mais nobreza
ou beleza
não fora escolhida
pra alegrar a mesa
num vaso de vidro translúcido
mas enfeitava
bela
um canto 
tosco do jardim
Era uma flor singela...


Marcos Segala

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Caminhante




 Um pouco de tristeza
abatimento
me fez olhar a vida
com o olhar mais pleno
arregalei os olhos
pra ver exatidão precisa
da reflexão 
que a melancolia trás
Que conceito é esse
letargia
que me detém 
no ponto de partida? 
Se há partida
justo 
haja 
chegada 
á vista
Percorrer a vida
dita a alvorada
lúcido
um caminho alegre
depende de quem
caminha
e não impõe no rosto
desgosto
mas mantém
ainda
a fé na caminhada
Caminha ...


Marcos Segala

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

supervisão


Que me viesses
então 
em sonho
em asa aberta
borboleta
avião
sobre as águas do oceano
navio
embarcação
me venha
ao pensamento
num momento
sem esforço da lembraça
aglutinada
do teu rosto
vívido
claro
pleno
rompendo a manhã
na tua volta
vens
espero
venha...


Marcos Segala

sábado, 15 de setembro de 2012

regeneração



Eu me replanto 
todo dia
fecundamente
me replanto
a cada manha
ensolarada
como semente
inchada
arrebento
me contorcendo
sedento
me enraizando
vida e terra fértil
em mim mesmo
nutre e me aquece
me estendo
alcanço
rompendo
me expando
trajetórias em curso
nova vida 
dentro desta velha vida
me recomponho...


Marcos Segala

a natureza canta, eu encanto





O vento varreu
as folhas secas
e um tufão as espalhou
pela rua fora
como milagre
nato 
rejuvenescimento
a árvore desfolhada
seca
hibernada
verdeceu novamente
apesar da escassez de chuva
regasse a terra
tudo está colorido
amarelos
verdes renovados
dourados
marrons desmaiados 
violáceos
azuis azulados
num céu branquinho 
de fumaça poluída
o rodopio festivo 
dos ventos
toca as folhas
para o alto
como brincando 
refazer a primavera
o bougainville 
debruçado sobre o muro
o ipê florido 
derramando flores na calçada  
e a passarada barulhenta
festa
entre os galhos frutíferos 
do meu quintal
algazarra nos ninhos...


Marcos Segala

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

viva lembrança





Lembrei-me agora mesmo
sua voz posta
imposta
aos meus ouvidos
atentos
a voz de minha mãe
ecoando pela casa
sorridente
contente
lembrança antiga
tão presente
de repente
lendo-me estórias
edificantes
divertidas
cantando
cantarolando
ou rindo simplesmente
os sons da sua voz
na sala ecoando
numa sintonia 
alcançável 
pronta
dia e noite
sua voz amiga
comigo 
ouço...


Marcos Segala

á céu aberto





Todo esse céu
brasileiro
aberto céu sobre mim
outros céus assim
estão abertos 
no estrangeiro
Minha mão estende
alcança
meus olhos 
miragem
ver-te
céu de estrelas
lábaro estrelado
ostentação 
constelação
Olha pra o céu
daí donde estás
verás
os pontos brilhantes
de luz
mapa sinalizado
no céu tão limpo
nítido
saberás exato
o ponto 
lugar 
onde estou 
a te olhar
olhando o céu
daqui
e o céu daí
donde estás...


Marcos Segala

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

ao filho desaparecido







A minha 
esperança 
espera
ver-te
espero
no meu pedaço de vida
dentro do teu 
ainda
padeço
a espera
de ver-te
em vida
Espera vida
espera
não vi ainda
o que espero
ver ainda
na vida...






Marcos Segala

ambiguidades





Presto atenção 
ao que a vida 
me diz
ambiguidades ditas
esquinas
malditas
benditas
duas mãos 
de sua bela pista
indo e vindo
escoando
rolando 
correnteza acima
um contra-ponto
duplo sentido
O que quer dizer tudo isso?
Que me diz não
tão audível
me dás um sim infinito
entre os sins e nãos
da vida 
tido
me divirto
sofro 

vivo
entre o não e sim
da sua mão
sobre mim...


Marcos Segala

terça-feira, 11 de setembro de 2012

tirando o fôlego


Se me tirasses o fôlego
fosse
eu ainda teria outro
como o gato
que tem sete
fôlegos de vida
tantas vezes sete
seria
tanto fôlego 
tenho ainda
se me tirasses 
o fôlego que me deste
e que aos poucos 
me tiras
desse jeito
não é defeito
que o tomes para ti
meu fôlego
tirado
entregue
inteiro
E o meu peito cheio
de fôlego pra dar...


 Marcos Segala

gênesis






Há momentos
não sou gênero
sexo
algum
acreditando-me
masculino
feminino
nem sou o que sou homem
nem sou o que sou mulher
nem sou o que não sou
tornado 
fosse
seria
alma vivente
eu sou
cheio de vida
sou o que eu sou...


Marcos Segala

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

um ponto de interrogação






Errar
é humano
O que é
ser 
desumano?



Marcos Segala

a goiabeira no meu quintal


Sobeja
beija 
o chão
derramando 
os frutos
maduros
ao pé
da árvore
frutifera
cheia de filhos
terra abençoada 
promessa...


Marcos Segala

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

tapete voador







Belo tapete
vermelho
sob os teus pés
teci
chão
encarnado
escarlate
colorido
estendido
me pisas o chão
coração
sagrado o chão
em que pisas
tire as sandálias
dos pés
ou tire
os pés do chão...



Marcos Segala

luzes no jardim




A tua luz
iluminando
minhas vidas
inteiras
todas que vivi
ao teu lado
iluminas o meu caminho
enluarado
entre as árvores
do jardim que me deste
a cuidar e guardar
árvores hibernadas
ansiosas pela chuva
primavera
como anseio a tua volta
doce espera
maranatha...


Marcos Segala

mergulho





Quando
o amor
vem afagar o coração
sou afogado
no agrado
do seu afago
coração...


Marcos Segala

terça-feira, 4 de setembro de 2012

meu coração




É que a casa da gente
pode ser
simplesmente
um ninho
um abraço
ovos fritos
aconchego
pode ser um laço
um palácio
mesa posta num banquete
pode ser um lar singelo
uma choupana
um barracão
assuntos domésticos
coisas do coração
que seja um templo
um trono
rei
rainha
casa na minha casa
casa na tua casa
coração...


Marcos Segala

outras belas imagens




Essas
belas imagens
guarnecidas
na memória
fotografias
dias amanhecidos
esquecidos
parcas referencias
condolências...
gente que se foi
e não voltou
nem eu mesmo voltei
deixei de lado
esqueci
adormeci em outras terras
outros verões
virão
e eu me terei por vencido
abastecido
da nova estação
renascido...


Marcos Segala

sábado, 1 de setembro de 2012

abarrotado






 

Frutos maduros
em pencas
em cachos
outros caídos
desmaiados
ao pé da árvore frutífera
lançados
uns pra mim
outros pros pássaros
vizinhança
abundância
e todo mundo
nessa
comilança
cestos cheios...

Marcos Segala

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

honey moon





Doces luas
açucaradas
adocicadas
enluaradas
risquinho luz no céu escurecido
beijinho rapidinho 
um selinho
riso proposto no portão
lua cheia de amor
uma noite inteirinha
luinha nova inteira
minguante e meia
traço de luz brilhante
num céu de escuridão
foram tantas luas
e são
nossas doces luas de mel
clarão
você e eu e um céu aberto
sobre nós acendido
nossa lua 
céu bonito
cada dia
lua nova vindo
cenário no céu de anil
e quando o sol nasceu
tudo ficou 
claro infinito...


Marcos Segala

Pratos limpos





Nada é tão bem explicado
que não some dúvidas
para os duvidosos
desconfiados
o esclarecido
desconhece também o seu caminho
ninguém é dono do amanhã
incerto
ninguém tem mãos ocupadas do próprio destino
quem pode prever
o que está posto na banca do amanhã
reservado...
Aconteceu o imprevisto e o apanhou desprevenido
eu
tu
ele
nós e todos nós que vimos
o prato limpo
vazio do que se serviu há pouco
o que será para o jantar?
Não se sabe
não se leu
o menu do tempo desapareceu...
Está servido?


Marcos Segala

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

prevalecência a existência




Aqueles anos 
que nos cercaram
absorventes da nossa juventude
eram
anos de severa tempestade
Eram dias 
de construção de sonhos
enfileirados todos
sem nenhuma responsabilidade
de realidade viva
Era só poeira no ar
um ajuntamento de ideias
uma passarela
com tendências
fashionistas de moda... }
Mas,
algo raríssimo mudou
entre o dedo e o gatilho
disparado 
e o tiro saiu 
pela culatra
a vida morreu pelo avesso
e continuamos vivos
o detonador de sonhos
falhou
Hoje a verdade
é verdade acima de toda
mentira exposta
toda a rima proposta
toda porta entre-aberta
não entre
Hoje o sonho doce é sonho
e a vida
extraordinária
atrevida
sou eu e você ainda...


Marcos Segala