domingo, 27 de maio de 2012

do espinho esquecido




Da flor
colhida
agradecido
esquecido
cicatrizo
do espinho
ferido
na beleza
na colheita
da flor rosa espinho
O espinho não importa
importa a rosa flor
carinho...

Marcos Segala

motivo





Se não fosse
o amor
que os atraiu
em paixão de desejo
eu não teria sido
existido
seria um fôlego perdido

Era mesmo de tirar o fôlego
atraído...


Marcos Segala

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Gozo proposto




Vulcão
Erupção
Explosão
Transbordamento
no Firmamento
Gozo sobre a terra
Se derramando
E todos os líquidos
E fluidos
sobre a terra
Escorridos
Gozo infindo
Terra
Água
Fogo
e Ar


Marcos Segala

singeleza



Essa beleza toda
mato
folha
verdura renovada
passinho
lagartas
caramujos
pequenos insetos
mosquitos
libélulas
borboletas
joaninhas
flores dia a dia surgindo
surpresa colorida
exibida
bem-vinda
uma beleza estende os galhos
braços em direção á minha janela
outra abriga um ninho
uma abre as asas
outra abre o bico
uma ao sopro do vento
balança quase desprendida
outra ao sabor do vento
ensaia um voo lento
umas incheridas cortadeiras
varredouras
outras replantadas
trasplantadas de outro jardim feliz
refletem a beleza árida jardinada
frágeis
pedras
flores do meu jardim...


Marcos Segala

voo plácido




Eu só queria saber
o que você pôs na minha bebida,
na minha cabeça
no meu coração
na minha vida...
ficou tudo diferente visto daqui de cima!


Marcos Segala

segunda-feira, 21 de maio de 2012

no outono as folhas caem...






Frio seco
de gelar os ossos
de gelo
pó esvoaçante
segando os olhos
poeira vermelha
subindo
hibernam as árvores do meu jardim
secaram
parecem mesmo interiorizadas
desfolharam
acudidas
á vida e seiva do caule lá dentro onde não vejo
resguardo
de quem fechou os olhos
e dormiu...
O vento varreu todas as folhas
e tudo foi tomado de um pardo cinza nublado triste
no entanto,
entretanto,
á todo desbotado proposto pelo vento outono vindo
o bougainvile exuberou
suas flores de cores vivas
exibidas
em cachos sinuosos
vermelhidão
uma explosão de cor em festa
dos galhos secos retorcidos me esqueci
esqueci que a primavera passou
que o verão acabou
e me lembrei que
céu azul
sol
calor 
de repente,
vai voltar...


Marcos Segala



sexta-feira, 18 de maio de 2012

O tempo e o vento




O vento
tempo
virou em mim outra página
e lá
você estava
me olhando
ingerindo o meu soriso
nos seus olhos
nos meus olhos fixos
"meu bem
o mundo inteiro está naquela estrada ali em frente..."
Vira página
gira o mundo
num segundo
paciência
não te perco de vista
na alquimia da existência...


Marcos Segala

terça-feira, 15 de maio de 2012

outras páginas, outros frutos




Tinha agora
um novo bloco
nas mãos
presente de aniversário
nada escrito nele ainda
nem dedicatória escrita havia
o desejo
o almejo
endereçado não veio em palavras
veio em sentimento
um pensamento
que preencheria de certezas
o bloco novo
e todas as belezas
deslumbradas
vislumbradas
escritas nas páginas
em branco
que virão
e que serão inceridas...
A vida é uma dádiva advinda das Tuas mãos
escreve Tu a minha vida...


Marcos Segala

domingo, 13 de maio de 2012

meu aniversário no seu dia!



Era domingo tranquilo
daqueles de se ficar em casa dormindo
um dia frio
tomar um chá 
um chocolate quente
um cobertor no sofá da sala quentinho
ler um livro
Era dia de mãe
em todos os sentidos
na data do calendário
e na hora chegada de trazer-me á luz
Fui tecido num ventre 
abrigo protegido
meu primeiro lar, 
meu berço
meu colo
meu ninho 
meu amparo
minha morada primeira  
recôndito de sua carne encarnado
no ventre formado um menino
nem sei de fato ao todo ao certo
a que proposito terei sido tecido
no folego de vida prontamente defendido
dos ataques que surgiram nas ameaças de um aborto proposto...
o seu amparo
me salvara a vida 
me deixara viver
e só isso bastaria pra que eu enchesse de alegria a própria vida
acredito
é uma dádiva viver
célula bipartida 
sua vida prolongada na minha
Feliz dia de mãe!
Feliz dia de filho!


Marcos Segala

cumpre anos







Não quero me tornar
um velho tolo
alquebrado e amargo
nem travestido de menino
invertido
nem contrariado
nem peru enfeitado
nem desprogramado
anos inteiros pesados nos ombros
amanhecer
anoitecer
sobre viver
tanto tempo vivido
tudo isso é muito bom!
Quero a sabedoria 
que advém com os anos passados
a experiencia
que me embranquece os cabelos
a paciência que me ilumina os olhos
a esperança que realça o meu sorriso
Quero você ao meu lado 
por que sei que um amor assim
me remoça
me renova
me realça os sentimentos da alma
que estavam esmaecidos
adormecidos
adoecidos da sua chegada...

Limão, limão galego
quem não sair do pique tá pego!



Marcos Segala

sexta-feira, 11 de maio de 2012

uma asa ritimada





Então me veio a música

Pousar tranquilamente serenata

Bem dentro em meus ouvidos

E me aquietar temores por lá instalados

Exaurido

Certa animosidade melancólica

E angustia

Demovidas de lugar

Pelas notas alternadas

Tuas asas

Emocionado

Quase transbordante

E ao fim do pouso

Asa musicada

Também pousei aquietado

Tranquilizado

Refeito

Musicalmente agitado

Contente em meu espírito...

Renovado

Como chuva no telhado

Frescor na plantação

Inundado

Ensaiei passos de dança

Animado

Vi meus dentes brancos

Num sorriso brilhante

Era o seu riso

Na verdade

Pelo meu riso imitado

Tudo real

Imaginado

Entusiasmado... 


Marcos Segala

quinta-feira, 10 de maio de 2012

janela da estação





Outras tantas vezes tantas eu multipliquei as horas passadas ali no sofá da sala debaixo da janela e persegui com o olhar as estações que se formaram combinando mudanças nas copas das árvores do meu jardim. Vi os galhos se desfolhando e secar como se a vida não lhe pertencesse mais. Vi galhos inteiros se partindo, arrancados pelo vento e cair por terra depois se encher de brotos rompendo em folhas outra e outra vez, renascendo logo florescendo e outros galhos novos apontar... Vi essa árvore, lar de muitos pássaros aninhados nos seus galhos renovados, e na renovação flores se abriram colorindo a vida, a minha rua, minha estrada. Vi tantos céus em nuvens chumbos se formando, céus encharcados de pesada tempestade, céus acinzentados esbranquiçados, dias nublados, frio invadindo a minha casa me congelando os ossos e arrefecendo minhas ilusões... Dessa mesma janela em dias ensolarados, claros convictos de colorido abrasador, tive a alma aquecida insólita de esperanças mornas, acalorada a branda poesia dentro de mim, pela janela vendo o ziguezaguear de insetos voadores, pousadores ligeiros de flores furtando nectar  adocicados em primavera e verão...

Marcos Segala

Um bom lugar pra ler um livro...







Dias atrás, uma cortina de chuva me separou do dia de sol desejado... Quando me mudei para essa casa, posicionei o sofá da sala estrategicamente, sob a luz da janela, deitado no sofá fitava diretamente o céu e a copa das árvores no jardim, morada de pássaros azuis, amarelos, coloridos tucanos, joões de barro, bem-te-vis, pica-paus, andorinhas, pombas do bando, ararinhas barulhentas, periquitos e pardais... Outros tantos que não sei os nomes. Mas hoje só a cortina de chuva se mostrava barulhenta e exibida. Ler um livro é o que estava a dar, respingos dum chuvisco molhou minha cara me mantendo acordado e atento ao que eu lia na minha janela e na janela aberta do livro em minhas mãos...


Marcos Segala

quarta-feira, 9 de maio de 2012

luz no firmamento




Era grandiosa
a luz e a beleza do entardecer
que me fazia menor do que sou
ainda mais pequeno
grande luz aqui dentro
invadindo
iluminando
avançando em brilho
adentrando minhas janelas
aquarela 
guardando nos olhos
o deslumbre...
E eu me vi assim 
iluminado
avantajado em colorido
dourado
céu refletido em meus olhos
olhos tomados de luz
e quando veio a escuridão 
da noite como era devido
eu estava de todo abastecido 
das tuas rajadas
até a alvorada 
luz do amanhecer
Por trás das minhas pálpebras...




Marcos Segala

terça-feira, 8 de maio de 2012

venha






Se te demoras 

retarda o meu riso 

e a dor do teu silencio 

esbanja palavras tristes 

nos meus apontamentos 

meu olhar transborda 

na leitura 

dos meus versos 

e descrevo

o teu gesto meticuloso 

se afastando 

e eu embaraço 

emaranhado de afazeres 

em que não estás 

e que não estou inteiro 

se não estás... 

Mas se te achegas 

me flameja 

com teus olhos incendiados 

verbos pronunciados 

meu nome nos teus lábios 

não te cales

não te afastes 

pois se estás 

estou...



Marcos Segala

segunda-feira, 7 de maio de 2012

o compositor compositado






A imagem refletida

mostra uma mulher 

dentro de uma caixa 

lendo um livro 

e não se vê a janela descrita! 

E quem disse que não sou eu 

a mulher que escreve o livro 

ou aquele que lê o que escreveu? 

Sou eu 

em todas as imagens que vejo 

e em todas as pessoas que descrevo 

mesmo quando sou um anjo e

sou homem 

sou mulher e 

sou criança

sou a paisagem enquadrada

sou a força 

luz na estrada 

sou o tempo 

a flor 

o espaço

pássaro e a canção esmerada 

sou água de rio

sou a chuva sobre os vales 

alvorada 

pôr do sol 

e toda nostalgia do entardecer 

sou a plena luz do dia

vasto campo verdejante 

sou a mão estendida 

o olhar penetrante

sou a boca do sorriso 

sou eu mesmo sem atavios 

dissimulados 

sempre sou eu 

e somos nós no que eu sou 

E quando penso que não sou 

sou eu ilustrando o ilustrado... 


Marcos Segala

Uma profusão de idéias





Quis fazer as malas antes de dormir, mas por algum motivo que me fugiu á ideia, desisti  e adiei para o dia seguinte, ainda terei tempo pra isso, conclui decidido a adiar realmente a arrumação das malas, percebi ansiedade no assunto e busquei lembrança do que não poderia esquecer de levar comigo na viagem, deitado em minha cama, com o radio ligado, fitei o teto... Um ritmo relembrado por uma orquestra dos anos 1950 e de repente o teto do meu quarto já não era o mesmo teto nem meu quarto, meu quarto era. Logo outro lugar, outra época, outra instância, outra cor, outra história e eu nem estava lá. Vi minha mãe com saia rodada plissada, cabelo preso como em dia de festa e minha irmã num claro vestido godê ... “just way you look to nigth” E a música mudara tudo á minha volta me remessando de imediato a cenas ocorridas em longínquo passado, cada nota tocada, cada sílaba entoada e toda a sintonia, nada do que me vem á lembrança me pertence mais, nem eu a mim mesmo me pertenço, outro rosto me encara no espelho... A mesma música que atravessou o tempo me encontrou distante e alterado no meu eu de dentro, no meu eu de fora e no meu pensamento... Tudo mudado... A mesma música...


Marcos Segala

quarta-feira, 2 de maio de 2012

amor aceso




É
mesmo com o tempo
que o ajuste
vem 
adaptado
alinhado
ajustado
raspas as aparas aqui
apara as raspas ali
conformado
o conforto desenhado
justaposto
instalado
como o sol
entre os dedos
apanhado...




Marcos Segala

abarrotado







Tanta 
coisa em minha mente
baralhada
acirrada
de idéias e informações
precisas
arquivadas
do que foi dito hoje
por ti mesmo
ou por todos os vínculos 
formais do passado 
registrados em minha história
com fatal importância
outras eras
alarido dessas notas todas
ataviadas
na bainha do meu cérebro
acordado
material de pesquisa voraz
que no meu bloco de notas
anotações
não cabem mais...




Marcos Segala

terça-feira, 1 de maio de 2012

"Não deixe o amor passar"






Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.
Se os olhares se cruzarem e, neste momento,houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.
Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.
Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.

Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O AMOR.
Carlos Drummond de Andrade