quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Espero a esperança





Recordo ao coração
o que me pode trazer esperança
resguardo os pensamentos 
nos momentos mais difíceis
reluto pra manter a calma
mantenho a cabeça erguida
sobre os meus ombros
posso
alma volta ao teu descanso, peço
uma lágrima teimosa
rola pela face cálida
admito sentimentos
confusos
mas não me dou de todo
estrangula-me a garganta
num aperto farto
mordo os lábios trémulos
ensaio um assobio
atravesso o dia cantando
sobrevoo as paisagens
do meu drama
quando as aves calam
á noitinha
os sons do meu jardim...


Marcos Segala

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Noite de luar





Sentei-me aqui fora
ouvindo a Adriana cantar
uma canção  de amor,
boiei 
olhando pela janela
vendo a lua pendurada
exuberante
no céu azul 
de fim de tarde,
céu iluminado
lindo!
Fiquei eu mesmo
enluarado
boiando no céu
á luz da lua cheia...

Marcos Segala



quinta-feira, 14 de novembro de 2013

generosidade no quintal





É primavera
calor e chuva
"casamento da raposa"...
Frutas amadurecem ao sol
generosidade no quintal
mangas amareladas doces
vermelhas, verdes, rosas, alaranjadas
nuances coloridos incontáveis
flores diversas 
enfeitam as árvores frutíferas
goiabas
acerolas
amoras enegrecidas
com abundancia generosa na fruteira
nem vou á feira
busco frutas no quintal

Marcos Segala






Lenitivo






"Os dias são maus..." Bons são os dias  quando há intervenção de Deus em nossos dias; o noticiário televisivo anuncia e derrama em nossos ouvidos  as más notícias diárias e apesar de que aqui e ali hajam desestímulos avantajados,  constantes, há também em contra partida uma boa nova que se renova, ou se mantém intacta latente no coração daquele que confia na Mão da Providência. E apesar de todos os dissabores que nos cercam, contornamos, certos de que certificado o coração no sabor da fé confirmada na esperança, não desanimamos; seguimos adiante.
É bem provável que no sopro primeiro que nos encheu de vida os pulmões, tenha abastecido inteiro a nossa capacidade de superar as limitações próprias do barro da nossa fragilidade humana. Abastecidos de eternidade por dentro, somos capazes de avançar reveses que se formem em nosso caminho.
Bem melhor do que me queixar, é me dispor a acreditar no Bom, no Bem, no Amor, na Fé, na constância que a confiança nos propõe a caminhada. Caminhantes, todos somos, seguindo avante as direções e considerações visíveis ou invisíveis...  Prefiro pensar que quando todos os recursos faltam ou falham, escassos ficam, permanecem a fé, a esperança e o amor, sabendo que o maior deles é o amor. Deus é amor. 

Marcos Segala

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Outra tela pintei






Estive ali parado
olhando a tela branca
com um desenho 
todo 
posto na minha cabeça
dentro dela
sem conseguir 
contudo 
transpor pra dentro da tela
Um traço mais forte da minha emoção
minha vida pintada em camadas 
de tinta
colorida
Azul
Branco
Vermelho
e aquele Verde-Esperança
pintou no meu olhar
Azulei escolhas
Amarelei decisões
supostas num Vermelho Carmesim
Branqueei a minha consciência
livre
passada
á limpo
pra começar tudo outra vez...



Marcos Segala

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

O querer querido







Saudade 
quase sempre 
tem um quê de nostalgia, 
uma vaga tristeza, 
uma profunda alegria... 
Seja a tristeza triste 
de não se ter mais alcance 
daquilo que se tem ainda querido, 
seja a alegria alegre 
de se ter tido um dia 
o querer querido tão perto...


Marcos Segala

domingo, 25 de agosto de 2013

Cobiça





Tomara

Essa saudade

Toda

Cingida cá dentro aprumada

Apurada

Chegasse aí de repente

Como um abraço

Apertado

De felicidade

E eu repartisse contigo

Esse meu desatino

Delírio

Ladrando meu peito

Bradando

Alarde à vontade o meu alarido bem-vindo

Tocar-te de novo

Em breve

Espero

Chegada...
Marcos Segala

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Recado




Eu nem sabia
que habitarias assim
a minha vida
habilitas-te ao meu corpo
o coração
e a mente
o meu desejo agora mora em ti 
e te enamora
o sentimento que te enlaça

é teu o meu pensamento
que me assalta
quando fosse possível
desarmado
ter-te a ti ao meu lado
mesmo quando te poes á distancia
Espero que encontres
nas praias caribenhas onde andas
este meu recado escrito
meu carinho que te cerca 
e te espreita
te acompanha
teu encalço que o meu alcança
Lembra nosso primeiro riso?
O meu ao teu correspondido!
Sorrio 
vibro enquanto esboço
num papel-socorro
por te ver
Te vejo
Tua sala
Meu quarto
Tua cozinha
Meu pátio
Teu jardim
Meu quintal...

Marcos Segala


Tranquilo




O teu abraço
me acolhe
e eu me recolho nesse ninho
plumado de tuas asas sobre mim
as cãs da tua sabedoria me alcançam
e me aconselha
discernindo o caminho
que eu traço á medida em que
me guias
prossigo
há braços humanos
humanitários
que me abraçam e recebem
com carinho
todos
demonstrados
no teu cuidado sobre mim...
Assim
me sinto pequenino
menino
aninhado
nos teus braços
teu abraço
meu ninho... 


Marcos Segala 

Vista alegre






Olho pela janela da sala

E a visão alcança as torres de aço

Erguidas e impostas ao crescimento

Desordenado da cidade

Já tivemos mais árvores na paisagem

Quem agora busca tranquilidade

Encontra os condomínios periféricos

Afastando, arrastando pra lá a cidade

E o tal progresso urbano...

Logo verei a cidade distante

Vista ao longe o seu amontoado

De edifícios erguidos assombrosamente

Imensos pombais de aço e concreto armado

Cada vez mais compactos

Três quartos com suíte e sacada

Mas na sala só cabem duas pessoas sentadas...

Ou me meto dentro de um desses apertos

Ou prevaleço no privilégio de um quintal e jardim

Vendo a cidade ao longe distante

E perto o ar puro

A fruta no Pé e a vida tranquila na vila

Outra vez...
Marcos Segala

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Girassol




Se eu pensar em você
e pensar
em flor
girassol
Iluminará por certo
o pensamento inteiro em você contido 
Não abrevio 
o sentimento
que eu tenho 
descrito em mim com letra maiúscula
Minha vida minúscula
Não cabe o quanto eu daria
se de novo tivesse um dia
que escolher-te por mais um dia
girassol diante de mim
meu pensamento 
um momento
você distante
cá dentro
tão perto 
inteiro
0 sentimento...

Marcos Segala 

flores sobre a mesa





Fiquei pensando há pouco
Se parte de mim
Masculina ou
Feminina
Tanto aprecia
o colorido e delicadeza
e a força dos sentimentos
que experimento
vaso de flores sobre a mesa
Nunca tive medo de ser feminino
longe do medo de ser afeminado
Apenas me capacitei
reconhecido do apreço
que se traduz
em belas imagens...
Aprecio o belo
Gosto de reconhecer que parte
de mim mesmo
se espelha na beleza
contida nas pequenas coisas da vida
sorriso de criança
asa de borboleta
no céu uma estrela
a lua boiando cheia inteira
água de um lago sereno
e eu serenando
correnteza das águas agitadas
brumas nas ondas bravias
e o movimento incontido
das ondas do mar...
Cor, forma e proporção
assim me tornei apreciador
da arte em si
reprodutor das belezas
que meus olhos captam
com sutileza
transformo objetos
telas emolduradas
palavras que tocam o coração
ainda que seja o meu 
e o seu quem sabe...


Marcos Segala


Florescência









Lembra quando lhe disse
do pé de Ipê
na calçada de casa?
Floresceu
De repente
Surpreendente
Seco que estava
Desfolhado
Agora revitalizado
Floreado
Enchido de flores
me encheu de contente
Transbordei 
pétalas na calçada quente...



Marcos Segala



Seguindo a linha









Fico pensando

Em como seria

Se tudo fosse diferente

Na minha vida

Uma vida

Passada a régua

A ferro e fogo

Certinha seria

Talvez eu não admita

A minha vida amarrotada

Que eu tinha

Endireitada num traço na escrita

Uma borracha apagava

A linha torta da minha rima

Um “erro-ex” cedido na Graça a cada esquina

E a vida que me levou na estrada

Aquela que eu levo a deriva

Viva a vida que eu vivo

Sem compromisso certinho

Que entorpece no autoritarismo da perfeição

Que eu não tenho e que não se mostrou no

Meu caminho entontecido

Rico o caminho que me traçou a vida

Que eu vivo

Sem assombros

Sem esquinas

Esmerada num curso

Desprovido de ensaio

Quase o improviso que eu vivo... 


Marcos Segala

Vejo-te ver-me



Gosto do favor que me serve

Quando penso em ti furtivamente

Estejas aqui do meu lado

Ou no sol poente lá no horizonte

Onde não estou estás

Noutro continente

As Américas que frequentas

E que eu não vou

Os dias que vives e que não estou

Os risos em que sou cúmplice

Roubando o teu olhar á distancia

Fico perto de ti obstinado

Quando me assombra a solidão da tua ausência

Gosto quando pareço ter entrado em transe

Vendo-te em tudo que eu faço

Mesmo que não estejas

Pois que estás acordado

Noutra esfera

Noutro país longe daqui

E aproximo-me com tanto esmero

No cuidado de mim mesmo

Já que não estás aqui ao pé de mim pra me cuidar

E me assistir

Assisto-te ... 


Marcos Segala

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Leia isso comigo



Ponta de lápis afiada
Folha de papel em branco
Algo novo escrito escrevo
Soletro cada palavra
Ditando em mim mesmo 
O texto
A alma
Linha ataviada
Palavra costurada
Com esmero
Traço a letra desenhada
Aquilo que penso escrevo
Solto o novelo desvelo
Revejo o que escrevi
Releio
e logo surpreso
Leio o que escrevo
Um selo
Ao sê-lo 
Como a hora chegada
Marcada em minuto ao meio
Meio segundo aconteço
Na forma da letra traçada
O lado de dentro transcrevo
Reluz
Dou á luz 
Aceso
Guardo o escrito que escrevo
que agora leio e releio...



Marcos Segala







segunda-feira, 13 de maio de 2013

Anos Dourados







As sementes germinaram
Despontaram
Prontas para ser árvore
Frutífera no fundo do quintal
As flores por sua vez
Exibiram-se em fruto
No tempo devido
E lá dentro do fruto
Há sementes de novo...
Minhas meninas cresceram depressa
E o tempo passou num segundo
Vamos marcando os centímetros
Acrescidos com entusiasmo envelhecido
Fui ficando contente hoje ao longo do dia
As mensagens de felicidades
No aniversário
Denunciaram no Facebook
Que cumpri mais um ano de vida
Tive outra entrevista de emprego
Ligações entusiasmadas
De felicitações desta vez no celular
As meninas ligaram também
E as suas mensagens repetidas
Encheram-me de alegria
Ontem era o dia das mães
Hoje é o meu dia
Numa segunda feira cheia de expectativas
Tomara uma resposta de emprego
Me servisse de presente
Eu devia estar contente apesar de tudo
E a lembrança de te verei mais tarde
Encheu-me de alegria
Dediquei um momento ás lembranças
Longínquas
Festa, amigos e balões
Entusiasmo em volta do bolo e velinhas
Nostalgia
Vou contando os anos
De novo e mais uma vez ainda
Aprendendo a contar os meus dias
O bolinho confeitado vai ficando
Cada vez menor
E a quantidade de velas cada vez maior
No canto do meu riso cabe
Uma poesia pendurada
No canto da poesia
Cabe o seu sorriso ainda...

Marcos Segala



quinta-feira, 9 de maio de 2013

O Outono Chegou









É
Eu guardei alguma esperança
Para esse momento exato
Alguma que me fizesse sorrir
Ou
Que tivesse ainda poderes
Sobre a desesperança
Saio ao jardim
As flores
Sorriem ao sol de outono
Os pássaros cantam
Numa algazarra mil
Periquitos e outros pássaros
De cantar alegre
Barulhento
As folhas das árvores na calçada
Amontoam umas sobre as outras
E dobram o meu trabalho
De manter o lugar limpo e varrido
Tudo se renova todo dia
Num processo teimoso
Que quase beira ao desespero
As manhãs estão frias agora
O inverno se aproxima
Embora não seja rígido o frio
Cá sob os trópicos
As árvores desfolhadas
Secas contorcidas
São de uma paisagem triste
Agreste
É tudo se recompondo
Acalme-se amigo
Digo de mim pra mim mesmo
Quase num sorriso...

Marcos Segala

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Um Todo

Disse o Monte
Nas alturas cume-monte
Estou só
E lá se foi o seu caminho
o Rio
Sozinho
O Céu também estava só
No infinito 
O Horizonte não ouviu o meu grito
Repetido
Eco-erguido
Eu 
Sentado no cume do Monte
Mais sozinho
Do que comigo mesmo
Olho á volta a solidão infinda
Colorida
Inscrita na solidão da paisagem
Chego logo á conclusão prevista
Não existe solidão
Cercado de mim mesmo 
Por todos os lados
Em que vejo o Céu
o Sol
o Horizonte 
o Rio deslizando trás dos montes
Sozinho o seu caminho
Acompanhado disso tudo 
Que o faz ser Caminhante...
Eu caminho.

Marcos Segala 
   

Catavento




t
Talvez
Eu devesse
Em breve tempo
Não ter nada que pensar
Nada pra dizer
Mesmo que fosse
Pra mim mesmo
Quando me encontro só
Nem aí nesse momento
Me silencio 
E se me pego desprevenido
De palavras pra dizer
Não me calo
Se durmo
Sonho
Lá não me aquieto
Movimento
Todo o tempo
Catavento dentro em si  
Se me calo 
Penso
Logo escrevo
Entretenho comigo mesmo
Das palavras que escrevo
Assim,
Em movimento o tempo inteiro
Sob o sopro do Vento
Sobejo...


 Marcos Segala  
  

quarta-feira, 27 de março de 2013

Sempre presente






Não me abituo
Á tua ausência
Quando vens
Me tens
Se ausente
Me ausento
Minha ausência de mim
Te aproxima
Pois se me ausento
Te tenho presente por dentro
O pensamento
Preso na tua ausência...



Marcos Segala

segunda-feira, 25 de março de 2013

facho de luz







Agora tenho de novo
Um jardim verdejante
Ante os meus olhos
Almoço
Janto
Me alimento
Num cenário verde
Que me alegra e encanta
Cheio de entusiasmo
Vejo uma folha nova
Despontar
Outra folha se desdobrar
Debruçadas sobre outras
Num desenho estético
Cativante
Lindo
Agora também tenho a ti
Em meus braços
Entrelaço o meu abraço
E durmo acordado
Sonho
Vivo o calor desse aconchego
Me refaço
Força
Riso
Entusiasmo
Nutrientes me acendem pra vida
Estive tão perto de perder tudo isso
Viver é como acender
Uma de luz na escuridão...


Marcos Segala

De volta á tona





Bebo saúde de novo
Sorvo cada bocado
De bem estar
Cada gota
Fresta de luz saudável
Festa
Sol penetrando pela janela
Invadindo a casa
Abrigo
Renovação
Calor
Cura
Depois de tanta ameaça
Respiro alívio
De quem celebra a vida
Numa canção de livramento...


Marcos Segala

sábado, 23 de fevereiro de 2013

noite alta


Finalmente
amanheceu
e vi o clarão da aurora
vindo
lindo
um novo dia
florecer...
   Cheguei a pensar
que não veria
a luz do dia
morreria
...
parece muito solitária
a velha morte
por mais que alcance
gente ao seu alcance
ela parece sempre só
...
desesperei da vida
já em pânico
acordado toda a noite
com medo de dormir
e não acordar mais 
Quero cumprir os meus dias!
...
 Depois despertei
como de um longo sono
    o desespero de um  
   pesadelo vívido
sua mão segurava a minha
e amenizava
a solidão contida
esvaziada na sua mão
a minha dor sentida
....
Acordei!


Marcos Segala