quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Vejo-te ver-me



Gosto do favor que me serve

Quando penso em ti furtivamente

Estejas aqui do meu lado

Ou no sol poente lá no horizonte

Onde não estou estás

Noutro continente

As Américas que frequentas

E que eu não vou

Os dias que vives e que não estou

Os risos em que sou cúmplice

Roubando o teu olhar á distancia

Fico perto de ti obstinado

Quando me assombra a solidão da tua ausência

Gosto quando pareço ter entrado em transe

Vendo-te em tudo que eu faço

Mesmo que não estejas

Pois que estás acordado

Noutra esfera

Noutro país longe daqui

E aproximo-me com tanto esmero

No cuidado de mim mesmo

Já que não estás aqui ao pé de mim pra me cuidar

E me assistir

Assisto-te ... 


Marcos Segala

Nenhum comentário:

Postar um comentário