segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Meu paladar





Quando não era tempo
de dietas
ou de medidas
quando nada era ameaça
e tudo era possível
abocanhei a vida 
e o horizonte
com sede
fome 
e com fartura
atravessei o oceano na palma da mão 
inscrito
o meu destino
...


Marcos Segala



segunda-feira, 28 de julho de 2014

Roda Gigante






Todo dia reinvento 
a minha alegria
e um novo animo
se instala 
renovado
Todo dia esqueço
as guerras
o infortúnio
e a preguiça dos homens
de viver humanamente
Todo dia eu canto
quando me somem as palavras
e o som da cidade 
silencia 
brinco de que os dias são feitos
na esperança do contente
que as noites são clarões de lua e estrelas
e o firmamento brilha
no horizonte
um dia
como o sol da justiça alcança os filhos dos homens...

Marcos Segala

sexta-feira, 25 de julho de 2014

biografia








E se a vida fosse
uma história contada
escrita entre as rimas
da poesia
Tua mão
na minha mão 
escrevendo a minha sina
parindo a minha história
todo dia
nalguma dor
nalgum pranto
alguma lágrima
e no entanto,
o riso farto
o seu amor palmilhando
o meu destino
prosódias ritmadas
boas gargalhadas
ecoando pela casa 
graciosamente
inscritas
num singelo riso
de meia boca
um riso largo
de boca inteira
a vida inteira...


Marcos Segala









sexta-feira, 16 de maio de 2014

Mudanças-andanças






Mudei-me para longe
bem distante
a cidade agora vejo ao longe 
mas não se preocupe meu amigo
o aconchego está comigo
veio junto a tranquilidade 
dos campos verdejantes
tardes límpidas
céu azul
noites iluminadas 
clarão da lua
pássaros aninhados nos galhos
arvores contornando os caminhos
crianças em jogos de rua
e a vida segue devagar...
a correria frenética das avenidas
ficou para trás 
para trás ficou o burburinho 
nervoso do trafego pesado 
dos horários de pico e a maluquice mau-educada
dos engarrafamentos conturbados
não me avizinha...
Tenho ar puro por aqui...
Casa nova e
dias renovados na esperança
os móveis ainda são os mesmos
numa nova versão de utilidade
Como um renovo na vida
voltei ao lugar onde passei
a mocidade
reencontro amigos contemporâneos
todo dia
e o prazer de estar aninhado 
me detém inteiro 
abro as janelas 
e vejo um céu como a tempos não via 
e a nostalgia faz poesia
brilhante 
festiva
em noites de lua cheia...


Marcos Segala