sábado, 15 de agosto de 2015

A flor do seu sorriso





Ela cantou
o que eu cantaria
e disse o que eu diria
Ensinou-me que sempre haveria
um colorido firme
em dias nublados preto e branco
Seu olhar
seu riso
sua reprimenda era igual
sem alternância
pois mesmo bradando o meu nome repetido
num alerta ao meu mal feito consumido
ela fazia ecoar pela casa o seu amor
seu cuidado
seu carinho
refletido
Ainda ouço comigo
pranto
ou riso
o seu conselho amigo
Agradeço a Voz Divina
que ela traduziu...


Marcos Segala

Nenhum comentário:

Postar um comentário