quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Meu amparo







Queria ter um lugar

alto retiro

onde pudesse refugiar

meu mundo

quando preciso

Tenho a casa

a sala

o quarto

o jardim

os livros

uma taça de vinho

Caminho a pé por aí

por entre as arvores

testemunho a solidão do sol

no entardecer

desmaiando no horizonte

melancólico quase triste

raramente encontra a lua

findo o dia

Fecho os olhos

vejo o retiro 

que procuro

dentro em mim

o Teu refúgio...

Marcos Segala



Nenhum comentário:

Postar um comentário