quinta-feira, 9 de maio de 2013

O Outono Chegou









É
Eu guardei alguma esperança
Para esse momento exato
Alguma que me fizesse sorrir
Ou
Que tivesse ainda poderes
Sobre a desesperança
Saio ao jardim
As flores
Sorriem ao sol de outono
Os pássaros cantam
Numa algazarra mil
Periquitos e outros pássaros
De cantar alegre
Barulhento
As folhas das árvores na calçada
Amontoam umas sobre as outras
E dobram o meu trabalho
De manter o lugar limpo e varrido
Tudo se renova todo dia
Num processo teimoso
Que quase beira ao desespero
As manhãs estão frias agora
O inverno se aproxima
Embora não seja rígido o frio
Cá sob os trópicos
As árvores desfolhadas
Secas contorcidas
São de uma paisagem triste
Agreste
É tudo se recompondo
Acalme-se amigo
Digo de mim pra mim mesmo
Quase num sorriso...

Marcos Segala

Nenhum comentário:

Postar um comentário