sábado, 3 de dezembro de 2011

Ausencia







Eu me sentei aqui
diante desse momento 
em preto e branco
quase triste


E era como se uma névoa
espalhasse as brumas desse dia...


Não protestei
a insuficiência de cor
nem discordei com o quadro vivido
Era um dia sem sol
Apenas o vivi
e me deixei tocar 
sabendo que no fim da tarde
nem tão tarde 
Outra luz e outra cor 
nos cobriria...
Esperei.


Nem tudo é cor e calor todo dia
nem todo dia é  incolor todo dia


Observei a cena
como quem se apropria de imagens
aos olhos de um turista
contemplando a paisagem...
Descolorida


Me absorvi insano desse dia cinza
A areia
a meia praia vazia
o cais
e a omissão contida de cor no infinito
Descolorido


Cor
que me acentua 
e me emociona
e me refaz
previsto...


Não me permiti pensar em nada


Petrifiquei-me ali em isolamento
não queria que nenhum movimento
tornasse aquela imagem 
em real descrito
queria deixar tudo intacto
ileso como estava
Ausente de mim
sem me deixar descolorir 
permanecido em mim mesmo o colorido


E retomei o meu lugar 
pleno de luz
e de cor
Lugar onde você está 
Lugar onde estou...




Marcos

Um comentário:

  1. Adorei sua perspectiva poética!!!

    Se puder, dê uma passada no meu blog tb!!!
    Bjs.

    http://colchaderetalhosfolhasembranco.blogspot.com/

    ResponderExcluir