quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Bom termo







Confiar 
confiei
despojei temores
e preservações
descartei as cores mórbidas
que o medo acentuaria 
em ameaças traduzidas
do real ao imaginário frenesi
desacreditei nas suas verdades
conduzidas 
e me acudi em tempo
apenas guarnecido 
da confiança exercida
de que quando pouco se pode fazer
o que se pode fazer tendo feito
é o bastante esperar...
Descansar
descansei
esperei
Me previ
á salvo da existência 
de águas bravias e tubarões 
estarrecidos e famintos
por minha carne 


"...reticenciar ninguém se atreve 
é tão bom sonhar contigo, 
ó luar tão cândido..."






Marcos

Nenhum comentário:

Postar um comentário