quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Mergulho




Já ouvi que eu tenha ficado fanático
E ser fanático é bom na poesia
Na arte
Na escrita...

Na entrega absoluta ao que faz e
Presta atenção ao feito e ao dito,

Fanatismo é quase um elogio pra quem persegue o belo
Incisivo na vida de poeta e de artista.

Como viver só ali na superfície rasa
E nunca ir ao topo da vida,
Como não ir á fundo no que pensa, sabe e acredita?

Como ficar na margem do poço e nunca se atirar cá dentro?

Como não correr perigo se a vida mesmo á margem
Ameaçou-me perigo de morte em rotina ...

A margem nunca me protegeu marginal,

A margem me torceu pelo mal

A margem me sugou todo o bem me roubou,

E ficou tão complicado viver margeado
Que saltei livremente para dentro do poço
E me molhei de verdade
Ensopado 
Verdade dos pés á cabeça lavado
Sete vezes num banho tomado
Purificado pelo amor renovado!


Curado!


“Caí no poço quem me tira? 
Meu bem, quem é o meu bem?”



Marcos

Nenhum comentário:

Postar um comentário